Espetáculo holandês “Vamos Fazer Nós Mesmos (Lets Do It Ourselves)”, traz mais inclusão e questões sociais ao Festival de Curitiba

0
891
Foto: Elisa Mendes/No Sofá

Foto: Elisa Mendes/No Sofá

Fotos: Elisa Mendes/No Sofá

Uma peça musical sobre o fim do estado de bem-estar social e a sociedade participativa emergente. O que esperamos de um governo? Nos sentiríamos abandonados ou finalmente libertados sem ele? Um roadshow punk com influências do submundo e uma seleta gangue autônoma, apresentada no palco, numa espécie de comício propagandista.

Esta é a ideia do espetáculo internacional “Vamos Fazer Nós Mesmos”( Lets Meets Do It Ourselves)”, do coletivo holandês Wunderbaum, que se apresenta na Mostra da 27ª edição do Festival de Curitiba, nos dias 2 de abril, às 21 horas, e 3 de abril, às 17h30 e 21 horas, no Teatro do Sesc da Esquina. A peça faz parte da série The New Forest, baseada na cooperação entre os integrantes do grupo e numerosos parceiros, voluntários e espectadores. O coletivo é formado por artistas da Holanda, um dos principais representantes da cena contemporânea dos Países Baixos.

Com passagens por diversas partes do mundo (EUA, Irã, Escandinávia, Brasil), seu trabalho ganhou, além de inúmeros prêmios, o reconhecimento do público e da crítica. De um modo comunitário, divertido e cheio de música, artistas brasileiros de artes performáticas, como teatro, dança e música, juntos dos holandeses, contarão com a participação de cidadãos curitibanos que decidiram criar iniciativas sociais sem a ajuda do governo e que procuraram fazer a diferença no mundo, por si mesmos.

O musical “Vamos Fazer Nós Mesmos (Lets Do It Ourselves)” questiona tutela estatal, moralismo social, anarquia judicial e noções de território em um pungente tratado da natureza humana. Seleção de elenco – A companhia selecionou 15 voluntários para o espetáculo. Agora vamos conferir!

28 - Crédito Elisa Mendes

Ficha Técnica – Criado por: Maartje Remmers, Marleen Scholten, Matijs Jansen, Walter Bart e Jens Bouttery; Elenco brasileiro: Alonso Zerbinato, Fernanda Honorato, Higor Campagnaro, Monique Vaillé e Pedro Uchoa; Cenografia: Maarten van Otterdijk; Técnicos: Rick Gobee & Siemen van der Werf; Produção Holanda: Josine Gilissen; Produção Brasil: Monique Vaillé e Pedro Uchoa; Apoio cultural: Dutch Fundo Performing Arts e Consulado dos Países Baixos; Co-produção: Tempo Festival.

unnamed